Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Lately

Histórias, opiniões, desabafos, receitas...

Lately

Histórias, opiniões, desabafos, receitas...


Miguel Mósca Nunes

09.08.22

29695278_1017980395031966_895825008620448510_n.jpg

Desapareceu deste planeta, ou deste plano, ou, se quiserem, desta dimensão, há dias, Ana Luísa Amaral, uma das mais geniais poetas dos séculos XX e XXI. A sublime e transcendental escritora, com uma voz que dourava todas as palavras que dizia, das pessoas mais sensíveis e inteligentes que Portugal teve o privilégio de ter como cidadã.

Esta poeta embalava-me no caminho para casa, sempre que a ouvia, ao entardecer, no programa «O Som que os Versos Fazem ao Abrir» da Antena 2, com aquela maneira singular de falar, de sonorizar cada palavra, de entoar cada expressão e frase. A sensação que tinha era a de estar a ouvir uma eremita, porque só uma eremita teria tempo para reunir em si tanta sabedoria; uma enciclopédia de conhecimento mas, sobretudo, de emoções. Quando penso em Ana Luísa Amaral é esta a imagem que me surge imediatamente: a ler, a escrever, mergulhada em pilhas de livros, saindo do templo só para, generosamente, nos encantar.

Mas, como é evidente, este meu ideal da poeta só persiste porque não tive o privilégio de a conhecer pessoalmente e de experienciar a afabilidade que deixava transparecer. Quem seria eu se tivesse sido seu aluno, ou estado presente no Ciclo de Masterclasses «Pessoa convida Pessoas» ou no momento em que recebeu o Prémio Rainha Sofia? Ou, então, assistido à justíssima homenagem da Feira do Livro do Porto, em Julho último? Fantasiando mais um pouco, quem seria eu se a tivesse acompanhado à livraria Lello ou a uma qualquer esplanada do seu amado Porto?

Ao ouvi-la, perdia a noção deste tempo terreno, limitado, cruel, inexorável. Talvez seja esta, também, uma das razões pelas quais era tão marcante e tão saboroso. Porque tinha, precisamente, a sensação de estar a ludibriar o tempo. Estivesse nesse idílio horas a fio, nunca me cansaria, impregnado daquela torrente de erudição, que me afastava langorosamente da realidade.

Porque o que dali brotava era contraponto da mísera mundaneidade. Era a Verdade.

Desapareceu mais um bastião da cultura, do feminismo e da luta contra a desigualdade. Lamentavelmente.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub